Linguiça, bacon e presunto são cancerígenos, diz OMS

Carne processada linguica bacon Foto Marcelo Camargo ABr

Um novo relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que o consumo de carne processada – como bacon, salsichas e presunto – causa câncer.

Segundo o documento, 50 gramas de carne processada por dia, o equivalente a duas fatias de bacon, aumentam a chance de desenvolver câncer colorretal em 18%.

De forma mais branda, pela falta de provas mais contundentes, a organização também reforçou o alerta em relação à carne vermelha, dizendo que ela seria “provavelmente cancerígena”.

De acordo a correspondente da BBC em Genebra, Imogene Foulkes, no caso da carne vermelha o “quadro não é tão claro”.

Aditivos

Carne processada é a carne que foi modificada para aumentar seu prazo de validade ou manipular o gosto. São as carnes defumadas, curadas ou que receber aditivos como sal ou conservantes.

São estes aditivos que podem aumentar o risco de desenvolver câncer.

A OMS chegou a essas conclusões após aconselhamento de sua Agência Internacional para Pesquisa do Câncer, que avalia os melhores dados científicos disponíveis.

Com isso, a carne processada passa a estar na mesma categoria que plutônio e bebidas alcoólicas, substâncias que comprovadamente causam câncer.

No entanto, isso não significa que consumir bacon, por exemplo, seja tão ruim quanto fumar.

“Para um indivíduo, o risco de desenvolver câncer colorretal (no intestino) por causa do consumo de carne processada continua pequeno, mas este risco aumenta com a quantidade de carne consumida”, disse Kurt Straif, da OMS.

Para o professor da Universidade de Oxford Tim Key, que também é membro da organização beneficente britânica voltada para pesquisa do câncer Cancer Research UK, é uma questão de moderação.

“Esta decisão não significa que você precisa parar de comer qualquer tipo de carne vermelha ou processada, mas se você come muito, há boas razões para pensar em diminuir. Comer bacon de vez em quando não vai causar muito dano – uma dieta saudável é baseada na moderação”, afirmou.

Fonte: BBC

Anúncios

Empadão de palmito com massa de grão-de-bico (sem glúten)

timthumb

Fiz essa receita e todos aqui em casa amaram porém fiz umas substituições, não tinha a vagem e substituí por talo de couve cortadinho e o ghee ainda não fiz e substituí pela manteiga.

Ingredientes

Recheio:

  • 2 xícaras (chá) de palmito pupunha picado em cubinho
  • 1 xícara (chá) de vagem cortada fina
  • 1 xícara (chá) de cenoura cortada em cubinho
  • ½ xícara (chá) de azeitona preta sem caroço
  • ½ cebola picada
  • 3 colheres (sopa) de azeite
  • 1 colher (sobremesa) rasa de araruta
  • 1 colher (sobremesa) de orégano
  • 1 xícara (chá) de água

Massa:

  • 1 xícara (chá) de grão-de-bico cozido na água e sal
  • 1 colher (sopa) de ghee
  • 1 colher (chá) de sal
  • ½ colher (chá) cúrcuma
  • ¾ xícara (chá) de farinha de arroz
  • ¼ xícara (chá) de água gelada

Modo de preparo

Recheio:

  1. Refogar a cebola com azeite numa panela média.
  2. Acrescentar o palmito, vagem e cenoura e cozinhar com um pouquinho de água até ficar aldente.
  3. Dilua a araruta com uma xícara de água e adicione aos vegetais, mexendo em fogo médio até ficar bem transparente e espesso.
  4. Acrescente a azeitona, misture e desligue o fogo.
  5. Deixe o recheio esfriar enquanto faz a massa.

Massa:

  1. No processador, coloque o grão-de-bico cozido, ghee, sal e cúrcuma e processe para misturar.
  2. Adicione a água e a farinha aos poucos e processe até virar uma massa bem empelotada.
  3. Forre os cinco potinhos de porcelana com a massa, recheie e cubra com mais massa.
  4. Leve ao forno por 30 minutos à 180ºC.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                         Fonte: Bela Cozinha

Pão de tapioca

p_o_de_tapioca_4.jpg_edit

INGREDIENTES

3 xícaras (chá) de leite sem lactose , leite vegetal  ou leite vaca

1 quarto de xícara (chá) de azeite de oliva ou de óleo de coco

1 xícara e meia (chá) de farinha de tapioca granulada (vende em qualquer bom supermercado)

2 ovos

Sal a gosto

Meia xícara de queijo sem lactose ralado , muçarela vegetal ralada ou queijo ralado

1 xícara e meia (chá) de polvilho doce

MODO DE PREPARO

Ferva o leite e o óleo na mesma panela.

Em uma vasilha, ponha a farinha de tapioca e despeje, sobre ela, o leite com óleo ainda quente.

Misture bem com uma colher de pau e espere hidratar e esfriar.

Bata os ovos.

Pouco a pouco e mexendo sempre, vá adicionando os ovos batidos à farinha de tapioca hidratada.

Acrescente o queijo sem lactose (opcional).

Coloque o sal e, por último, o polvilho doce.

Com as mãos levemente untadas com azeite ou óleo de coco, amasse bem a massa até que ela fique homogênea.

Coloque a massa numa fôrma (pode ser de pão, de vidro ou mesmo de anel) untada com óleo e um pouco de polvilho doce e leve ao forno preaquecido a 180 graus.

Asse por 45 minutos ou até começar a dourar.

Fonte: Cura pela natureza

Consumo de vegetais como o agrião, pode diminuir o risco de câncer, dizem pesquisas

agriao

Brócolis, couve-flor, rúcula, couve, agrião, espinafre, repolho… Esses vegetais são alguns dos que fazem parte de um grupo chamado crucífero – conhecido por prover vitaminas e minerais e, após vários estudos, descobriu-se também que o grupo possui propriedades anticarcinogênicas, ou seja, há a presença de compostos que ajudam na prevenção do câncer.

Esses vegetais possuem uma grande variedade de um composto chamado glucosinolato ou glicosinolato que, quando hidrolisado (quebrado) pela preparação do alimento ou pela própria mastigação, origina diferentes tipos de isotiocianatos – que são substâncias que conferem proteção para as células contra o estresse oxidativo. São esses compostos os responsáveis pela diminuição do risco de diversos tipos de câncer, como os de pulmão, de mama, de cólon, de fígado, de esôfago e de próstata.

Agrião

Particularmente no caso do agrião, além de ter a capacidade de aumentar os níveis de antioxidantes no sangue e proteger o DNA do corpo contra danos, um estudo feito pela University of Southampton, na Inglaterra, mostrou que ele possui um composto que “desliga” um sinal nas células que seria necessário para o crescimento das células do câncer. Quando um tumor supera o próprio fornecimento de sangue, ele envia sinais para os tecidos que estão em volta para alimentá-lo com oxigênio e nutrientes. O composto do agrião interfere nesses sinais, neutralizando o processo de crescimento e proliferação do tumor.

Quando tratamos o câncer com quimioterapia ou radioterapia, o tumor desaparece, mas as células-tronco presentes nele continuam vivas, e mesmo elas representando menos de 5% do tumor, elas possuem a capacidade de regenerá-lo e até levá-lo para outros lugares do corpo, através dos vasos sanguíneos.

Então, a equipe de pesquisadores tratou em laboratório as células-tronco de um tumor cervical com determinado tipo de isotiocianato e descobriu que cerca de 75% das células morreram em até 24 horas e ainda que as concentrações de tal substância usadas para o experimento podem ser facilmente alcançadas com uma dieta rica em certos tipos de vegetais crucíferos, como o agrião.

Apesar disso, a pesquisadora pediu cautela, pois os experimentos foram realizados utilizando ratos e, embora eles sejam um bom modelo para o estudo de doenças humanas, ainda são necessários novos testes para determinar se os resultados serão semelhantes nos humanos.

Fonte: Science Daily

Agrotóxicos no Brasil

download

Estudos experimentais científicos tanto com animais de laboratório como com populações expostas, realizados em outros países, mostram uma relação clara entre o uso de agrotóxicos e o aparecimento de câncer. Instituições que têm conhecimento na área de pesquisa de câncer, como o Instituto Internacional de Pesquisa em Câncer – IARC da Organização Mundial da Saúde – OMS, fizeram avaliações e revisões sistemáticas sobre alguns agrotóxicos, e esses estudos mostram que os agrotóxicos que usamos no Brasil apresentam enorme potencial de desenvolvimento de câncer em seres humanos.

Dentre eles, o glifosato foi classificado como carcinógeno humano, assim como o malathion, que é muito usado também em campanhas de saúde pública [pulverizado em campanhas de combate ao mosquito da dengue], e o herbicida 2,4-D, que foi classificado como possível carcinógeno humano. Portanto, temos estudos científicos de organismos internacionais e nacionais, como oInstituto Nacional do Câncer – INCA, que estão se posicionando quanto ao risco do uso dos agrotóxicos desenvolverem câncer.

0,,60203536,00

A Anvisa libera o registro de um agrotóxico, ela faz essa avaliação a partir dos estudos que são apresentados pelas empresas. Então, são estudos experimentais, bem conduzidos, os quais acreditamos serem idôneos, mas que têm suas limitações.

A primeira limitação é que eles expõem um único agrotóxico naquele estudo, enquanto no dia a dia o ser humano é exposto a uma mistura de vários agrotóxicos. Por isso os estudos epidemiológicos, que têm sido realizados nos Estado Unidos e Canadá, estão apontando a associação entre agrotóxicos e câncer, porque eles estão estudando o agrotóxico na sua realidade de uso, que considera justamente uma mistura de agrotóxicos.

O trabalhador do campo, que está mais exposto ao produto, faz relatos frequentes de intoxicações agudas, que causam dor de cabeça, vômitos, diarreia e até o óbito. Além disso, existem os efeitos mais tardios, que são o câncer, alterações hormonais, alterações reprodutivas, que são relacionadas, cientificamente, ao uso de agrotóxicos.

O Brasil é o maior consumidor mundial e tem uma grande fragilidade regulatória em relação aos agrotóxicos. A situação do Brasil é a pior no cenário internacional em relação ao uso de agrotóxicos. Alguns agrotóxicos já foram proibidos em vários países, mas ainda são comercializados no Brasil. Esse é um fato importante, porque mostra que as autoridades regulatórias internacionais já reconheceram os danos à saúde e proibiram o uso dessas substâncias, enquanto nós continuamos usando esses agrotóxicos.

A solução para esse problema é o fortalecimento da agricultura familiar e do cultivo sustentável.

Fonte:Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra

O Poder das Árvores

Nossa ChácaraAs árvores são um dos organismos mais incríveis que Deus criou , são lindas, purificam nosso ar, refrescam nosso ambiente,  servem de moradia para vários animais, nos dão uma infinidade de frutos,  suas follhas e caules são matéria prima para vários medicamentos. Tudo isso de graça , ela só pede um pedacinho de terra para morar.

Todas as  árvores fazem  fotossíntese. O que significa dizer que durante o dia elas absorvem radiação solar e gás carbônico e liberam oxigênio e água. Pensando que nossa respiração é o contrário desse processo (respiramos oxigênio e liberamos gás carbônico), fica fácil entender a importância de uma árvore para a nossa sobrevivência. No entanto, o ponto forte desse mecanismo não é apenas a produção do oxigênio, mas também a liberação de água. Na Amazônia, por exemplo, a quantidade de água proveniente das árvores é tão grande que regula as chuvas de quase todo o mundo.

O uso da vegetação é sempre apontado por vários pesquisadores como uma importante estratégia para amenização da temperatura do ar nas cidades, relacionada ao controle da radiação solar, ventilação e umidade relativa do ar.  Além disso  garantem uma ação de descontaminação atmosférica e proporcionam sombra para os pedestres .
Vamos fazer nossa parte , plante , cuide e ame uma ou várias árvores.

Perigo: Gordura Trans

download (4)Gordura trans ou gordura hidrogenada encontrada em grande quantidade nos alimentos industrializados como margarina, biscoitos doce e salgados, produtos de pastelaria, alimentos fritos, pães, sorvete e outros.

Esse tipo de gordura provoca o aumento do Triglicerídeo e  LDL ( colesterol  ruim) e diminuição do HDL (colesterol Bom). Isso aumenta as chances do aparecimento de um ateroma, isto é, a placa de gordura no interior de veias e artérias, que pode causar infarto ou derrame cerebral. Está associada também à obesidade, visto que é utilizada em larga escala em quase todos os alimentos.

O consumo excessivo de gordura saturada de origem animal provoca uma inflamação no hipotálamo , uma região do cérebro que controla a fome e a saciedade isso destrói os neurônios e a pessoa não se sente saciada e come mais.

Importante: Antes de comprar um produto industrializado, leia os ingredientes se houver gordura hidrogenada, não compre.

Prefira os alimentos naturais e faça seus pães , biscoito, sorvetes e etc…(veja  as receitas no blog).